O grande dia chegou! Minhas apostas para o Oscar 2018

Navegar por...

Depois de muito esperar, o grande dia chegou. Amanhã, 4 de março, acontece a 90ª edição do Oscar. Por mais um ano, Jimmy Kimmel é o grande responsável por comandar a festa que acontece no Teatro Dolby, em Los Angeles.

E como já se tornou a tradição aqui no Junta 7, mais uma vez vou dar os meus palpites para os eventuais ganhadores. Ano passado, consegui acertar metade dos ganhadores, mas a ideia é melhorar. Para 2018, vale dizer que, por muito pouco, não consegui ver 100% dos filmes.

Ao todo, completei 21 das 24 categorias em disputas. Das que faltaram, em duas fiquei devendo apenas um filme para completar. Na outra, a de Melhor Curta-Metragem, só tive acesso a uma das produções. Essa vai ter que ser no chute, perdão.

Lembrando que isso aqui é apenas uma diversão entre amigos. Como diz o jornalista Alexandre Praetzel, palpitar é brincar. Todas as categorias terão os motivos pelos quais minhas escolhas foram feitas. Se você discorda, por favor, não se ofenda.

Se você quiser ouvir ao invés de ler, temos a nossa versão especial do Cineclube Junta 7, que pode ser ouvido abaixo.

E aproveite para dizer nos comentários quais são os seus filmes favoritos aos prêmios. Vamos lá?

1) Melhor Filme

Concorrem: Me Chame Pelo Seu Nome, O Destino de Uma Nação, Dunkirk, Corra!, Lady Bird, Trama Fantasma, The Post – A Guerra Secreta, A Forma da Água e Três Anúncios Para um Crime.

Aposta: A Forma da Água

Por qual motivo? O filme dirigido por Guilhermo del Toro pode não ser tão grandioso quanto outros vencedores da categoria, mas vejo ele como o mais forte da atual temporada. A Forma da Água apresenta em seu mundo fantasioso uma história totalmente fora da caixinha, por isso acho que ele leva.

2) Melhor Diretor

02

Concorrem: Christopher Nolan (Dunkirk), Greta Gerwig (Lady Bird), Guillermo del Toro (A Forma da Água), Jordan Peele (Corra!) e Paul Thomas Anderson (i)

Aposta: Guillermo del Toro, de A Forma da Água

Por qual motivo? O mesmo caso do seu filme. Talvez essa não fosse a melhor obra para o diretor ganhar a sua estatueta, mas é bem provável que o faça, levando em consideração os prêmios pré-Oscar. Aquela estatueta que cheira com um prêmio pelo conjunto da obra, assim como aconteceu com Leonardo DiCaprio.

3) Melhor Ator

Gary Oldman é o favorito a levar o prêmio de Melhor Ator. A Maquigem também tem boas chances, mas tem em 'Extraordinário' um forte concorrente

Concorrem: Daniel Day-Lewis (Trama Fantasma), Daniel Kaluuya (Corra!), Denzel Washington (Roman J. Israel, Esq.), Gary Oldman (O Destino de Uma Nação) e Timothée Chalamet (Me Chame Pelo Seu Nome)

Aposta: Gary Oldman, de O Destino de uma Nação

Por qual motivo? Dois estreantes, dois atores com estatuetas e um terceiro pedindo passagem para entrar no segundo grupo. Gary Oldman ficou muito conhecido por suas participações como Sirius Black em Harry Potter, mas O Destino de uma Nação foi uma excelente oportunidade para tirar esse “selo”.

Ao atuar no papel de Winston Churchill, Oldman tem uma atuação impecável, mostrando o sangue frio que um diplomata precisa ter parar dar rumos a uma guerra a qual ele não participa no front.

4) Melhor Atriz

03

Concorrem: Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime), Margot Robbie (Eu, Tonya), Meryl Streep (The Post – A Guerra Secreta), Sally Hawkins (A Forma da Água) e Saoirse Ronan (Lady Bird).

Aposta: Frances McDormand, de Três Anúncios Para um Crime

Por qual motivo? Tirando Meryl Streep, que não teve o seu melhor papel da carreira, qualquer uma das outras atrizes que ganhasse, deixaria o Oscar em boas mãos. Os dois destaques da categoria são Frances McDormand e Sally Hawkins.

Francis faz uma mãe que busca a justiça para sua filha, que fora assassinada. Sally se supera ao fazer uma mulher muda que se vê em um romance/filme de espião/fantasia. Gostaria muito que ela ganhasse, mas é praticamente certo que McDormand ganhe o seu segundo Oscar.

5) Melhor Ator Coadjuvante

04

Concorrem: Christopher Plummer (Todo o Dinheiro do Mundo), Richard Jenkins (A Forma da Água), Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime), Willem Dafoe (Projeto Flórida) e
Woody Harrelson (Três Anúncios Para um Crime)

Aposta: Sam Rockwell, de Três Anúncios Para um Crime

Por qual motivo? As atuações de Três Anúncios Para um Crime foram um dos pontos altos do filme. A prova disso é que, além de Francis, o filme emplacou duas indicações nessa categoria, que deve ir para Sam Rockwell com seu personagem preconceituoso e detestável, que busca redenção em determinado momento.

6) Melhor Atriz Coadjuvante

05

Concorrem: Allison Janney (Eu, Tonya), Laurie Metcalf (Lady Bird), Lesley Manville (Trama Fantasma)  Mary J. Blige (Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississipi) e Octavia Spencer (A Forma da Água)

Aposta: Allison Janney, de Eu, Tonya

Por qual motivo? Aqui, temos uma disputa forte entre duas mães. De um lado, Allison Janney faz a mãe da protagonista em Eu, Tonya. Do outro, Laurie Metcalf faz a mãe da protagonista em Lady Bird. A primeira faz um personagem amargurado que, assim como Sam Rockwell, beira o detestável. A segunda, uma mãe adolescente que sofre com a idade e os conflitos da filha.

A primeira vai levar o prêmio.

7) Melhor Roteiro Original

Concorrem: Corra! (Jordan Peele), Lady Bird (Greta Gerwig), Doentes de Amor (Emily V. Gordon e Kumail Nanjiani), A Forma da Água (Guillermo del Toro e Vanessa Taylor) e Três Anúncios Para um Crime (Martin McDonagh)

Aposta: Três Anúncios Para um Crime

Por qual motivo? Ô categoria complicada. Aqui, temos as mais diversas histórias e gênero, cada qual com sua particularidade. Se dependesse única e exclusivamente de meu voto, o título iria para Doentes de Amor. Como isso não acontece, graças a Deus, a disputa fica entre os favoritos A Forma da Água e Três Anúncios Para um Crime.

Apesar de não ser o melhor filme, Três Anúncios tem o melhor roteiro. Ao mostrar uma história que parece muito ser real, mas ser algo totalmente criado, penso que isso lhe dê pontos o suficiente para ganhar a categoria.

8) Melhor Roteiro Adaptado

Concorrem: Me Chame pelo Seu Nome (James Ivory), Logan (Scott Frank, M. Green e James Mangold), A Grande Jogada (Aaron Sorkin), Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississipi (Dee Rees e Virgil Williams) e O Artista do Desastre (Scott Neustadter e Michael H. Weber)

Aposta: Assim como a categoria anterior, se dependesse de mim, A Grande Jogada seria o vencedor. Entre os indicados, foi o que eu mais gostei. Apesar disso, a aposta vai para Me Chame Pelo Meu Nome. Apesar de ser um filme muito sensível, a entrega do personagem principal a suas emoções é muito grande, o suficiente para cair nas graças da crítica.

Por qual motivo? 

9) Melhor Animação

Concorrem: Viva – A Vida é uma Festa, O Touro Ferdinando, O Poderoso Chefinho, Com Amor, Van Gogh e The Breadwinner

Aposta: Viva – A Vida é uma Festa

Por qual motivo? Uma categoria muito disputada… Pelo segundo lugar. Com indicações duvidosas, como a de O Poderoso Chefinho, não tem como Viva – A Vida é uma Festa é um filme impecável. Ele é engraçado, emocionante e ainda transmite uma mensagem muito bonita.

Uma zebra, mas que teria uma premiação para lá de merecida, seria para The Breadwinner.

10) Melhor Filme Estrangeiro

Concorrem: Uma Mulher Fantástica (Chile), O Insulto (Líbano), Sem Amor (Rússia), Corpo e Alma (Hungria) e The Square – A Arte da Discórdia (Suécia)

Aposta: Uma Mulher Fantástica

Por qual motivo? Chegamos na primeira categoria onde não consegui assistir a todos os filmes, mas quatro em cinco, é uma boa contagem. Dos que eu vi, a maioria não me chamou tanto a atenção, com histórias confusas e chata. O único destoante foi Uma Mulher Fantástica, oriundo do Chile.

O filme é estrelado pela transexual Daniela Vega e a coloca como centro de um conflito familiar envolvendo seu parceiro. O longa mostra as dificuldades de sua condição e todos os preconceitos que a circundam.

11) Melhor Documentário em Longa-Metragem

Concorrem: Abacus – Pequeno o Bastante para Condenar (Steve James, Mark Mitten e Julie Goldman), Últimos Homens em Aleppo (Feras Fayyad, Kareem Abeed e Søren Steen Jespersen‎), Icarus (Bryan Fogel e Dan Cogan), Strong Island (Yance Ford e Joslyn Barnes) e Visages, villages (Agnès Varda, JR e Rosalie Varda)

Aposta: Últimos Homens em Aleppo

Por qual motivo? São boas indicações, como o francês Visages, Villages, mas a estatueta deve ir para um filme que funciona como extensão. No ano passado, The White Helmets foi destaque na categoria de documentário em curta-metragem. Neste ano, o curta foi “estendido” no documentário Últimos Homens em Aleppo, que mostra a rotina do grupo de resgatadores na Síria.

12) Melhor Documentário em Curta-Metragem

Concorrem: Edith+Eddie (Laura Checkoway e Thomas Lee Wright), Heaven Is a Traffic Jam on the 405 (Frank Stiefel), Heroin(e) (Elaine McMillion Sheldon‎ e Kerrin Sheldon), Knife Skills (Thomas Lennon) e Traffic Stop (Kate Davis e David Heilbroner)

Aposta: Heroin(e)

Por qual motivo? A Netflix tem se especializado em produções documentais, seja em curta ou em longa-metragem. Pelo segundo ano seguindo, o serviço de streaming deve levar a estatueta da categoria com um produto forte sobre uma situação preocupante.

Mas vale conferir Knife Skills que também é bem bom.

13) Melhor Curta-Metragem

Concorrem: DeKalb Elementary (Reed van Dyk), My Nephew Emmett (Kevin Wilson, Jr.), The Eleven O’Clock (Derin Seale e Josh Lawson), The Silent Child (Chris Overton e Rachel Shenton) e Watu Wote (Katja Benrath e Tobias Rosen)

Aposta: My Nephew Emmett

Por qual motivo? Infelizmente, essa foi a única categoria onde eu só consegui assistir um entre os dos cinco indicados ao prêmio, mas acho que ele não tem tanta força assim. Para não deixar a categoria em branco, e na base do uni-duni-tê, vamos apostar em My Nephew Emmett.

14) Melhor Animação em Curta-Metragem

Concorrem: Dear Basketball (Glen Keane e Kobe Bryant), Garden Party (Gabriel Grapperon e Victor Caire), Lou (Dave Mullins e Dana Murray), Negative Space (Ru Kuwahata e Max Porter) e Revolting Rhymes (Jan Lachauer e Jakob Schuh)

Aposta: Lou

Por qual motivo? É Pixar. Não tem muito o que dizer além disso. Como fã de Kobe Bryant, é claro que eu gostaria que Dear Basketball ganhasse, mas Lou é um curta excelente.

15) Melhor Trilha Sonora

Concorrem: Dunkirk (Hans Zimmer), Trama Fantasma (Jonny Greenwood), Star Wars – Os Últimos Jedi (John Williams), A Forma da Água (Alexandre Desplat) e Três Anúncios Para um Crime (Carter Burwell)

Aposta: Dunkirk

Por qual motivo? Temos aqui um briga de cachorro grande. Qualquer um dos indicados tem chances reais de vencer essa categoria. Muito por conta de prefência minha, acho que Hans Zimmer leva essa por Dunkirk

16) Melhor Canção Original

Concorrem: “Mighty River” (de Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississipi, por Raphael Saadiq, Mary J. Blige e Taura Stinson), “Mystery of Love” (de Me Chame pelo Seu Nome, por Sufjan Stevens), “Remember Me” (de Viva – A Vida é uma Festa, por Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez), “Stand Up for Something” (de Marshall, por Diane Warren e Lonnie R. Lynn) e “This Is Me” (de O Rei do Show, por Benj Pasek e Justin Paul)

Aposta: This is Me, de O Rei do Show

Por qual motivo? Uma categoria que divide o meu coração. Primeiro porque ela me mostrou o filme Marshall, um dos meus prediletos da edição do Oscar. Apesar disso, a música não se faz presente, então a disputa se polariza em outro ponto do ringue.

Se pudesse, dividiria o prêmio entre Remember Me e This Is Me, mas a canção mais marcante de O Rei do Show me cativou mais.

17) Melhor Edição de Som

Concorrem: Ritmo de Fuga (Julian Slater), Blade Runner 2049 (Mark Mangini e Theo Green), Dunkirk (Richard King e Alex Gibson), Star Wars – Os Últimos Jedi (Matthew Wood e Ren Klyce) e A Forma da Água (Nathan Robitaille e Nelson Ferreira)

Aposta: Dunkirk

Por qual motivo? Tanto edição, quanto mixagem de som, sempre causam confusão na edição do Oscar. Apesar de parecidas, elas tem funções bem diferentes. Falando de forma resumida, como mostrou o canal Acabou de Acabar, a Edição diz respeito a o que vamos ouvir (efeitos sonoros, por exemplo) e a Mixagem é como vamos ouvir.

Com isso em mente, acho que Dunkirk garante mais uma estatueta aqui. Trabalhar com filmes de guerra, mesmo sem a parte dos embates em si, deve ser algo extremamente trabalhoso. Por isso, fica com minha aposta.

18) Melhor Mixagem de Som

Concorrem: Ritmo de Fuga (Julian Slater, Tim Cavagin e Mary H. Ellis), Blade Runner 2049 (Ron Bartlett, Doug Hemphill e Mac Ruth), Dunkirk (Mark Weingarten, Gregg Landaker e Gary Rizzo), Star Wars – Os Últimos  Jedi (David Parker, M. Semanick, Ren Klyce e Stuart Wilson) e A Forma da Água (Christian Cooke, Brad Zoern e Glen Gauthier)

Aposta: Baby Driver – Ritmo de Fuga

Por qual motivo? O filme casa muito bem músicas e efeitos com as cenas. Pelo que foi explicado no ícone anterior, penso que a aposta é válida. Cosa contrário, é bem provável que Dunkirk seja forte candidato.

19) Melhor Direção de Arte

Concorrem: A Bela e a Fera (Sarah Greenwood e Katie Spencer), Blade Runner 2049 (Dennis Gassner e Alessandra Querzola), O Destino de uma Nação (Sarah Greenwood e Katie Spencer), Dunkirk (Nathan Crowley e Gary Fettis) e A Forma da Água (Paul Denham Austerberry, Shane Vieau e Jeff Melvin)

Aposta: A Forma da Água

Por qual motivo? Esse é puramente chute. Foi o que mais me impressionou.

20) Melhor Fotografia

Concorrem: Blade Runner 2049 (Roger Deakins), O Destino de uma Nação (Bruno Delbonnel), Dunkirk (Hoyte van Hoytema), Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississipi (Rachel Morrison) e A Forma da Água (Dan Laustsen)

Aposta: Dunkirk

Por qual motivo? O filme deve ser o grande destaque nas categorias técnicas e tem tudo para ser o grande vencedor da noite. Na fotografia, ganha quem mostrar melhor aquilo para o público. Por trabalhar com elementos na água, na terra e no mar, acho que Dunkirk leva.

21) Melhor Cabelo e Maquiagem

Concorrem: O Destino de uma Nação (David Malinowski, Lucy Sibbick e Kazuhiro Tsuji), Victoria & Abdul (Daniel Phillips e Lou Sheppard) e Extraordinário (Arjen Tuiten)

Aposta: O Destino de uma Nação

Por qual motivo? Dos três indicados, dois fizeram um trabalho surpreende, a ponto d’eu só reconhecer os atores após o término dos filmes. A produção de Extraordinário fez um trabalho incrível com Jacob Tremblay, mas por retratar com exatidão uma figura pública da história, o Destino de uma Nação leva.

22) Melhor Figurino

Concorrem: A Bela e a Fera (Jacqueline Durran), O Destino de uma Nação (Jacqueline Durran), Trama Fantasma (Mark Bridges), A Forma da Água (Luís Sequeira) e Victoria & Abdul (Consolata Boyle)

Aposta: Trama Fantasma

Por qual motivo? Por ser um filme que trabalha a indústria da alta costura, atrelado a ser um filme de época, Trama Fantasma, o último filme de Daniel Day-Lewis é o forte candidato.

23) Melhor Edição

Concorrem: Ritmo de Fuga (Paul Machliss e Jonathan Amos), Dunkirk (Lee Smith), Eu, Tonya (Tatiana S. Riegel), A Forma da Água (Sidney Wolinsky) e Três Anúncios Para um Crime (Jon Gregory)

Aposta: Dunkirk

Por qual motivo? Mais uma categoria técnica de disputa acirrada. Mais uma vez, vejo o embate entre Ritmo de Fuga e Dunkirk e, novamente, pendo para o lado do filme de Christopher Nolan.

24) Melhores Efeitos Especiais

Concorrem: Blade Runner 2049 (Gerd Nefzer, John Nelson, Paul Lambert e Richard Hoover), Guardiões da Galáxia Vol. 2 (Christopher Townsend, Guy Williams, Jonathan Fawkner e Dan Sudick), Kong – A Ilha da Caveira (Stephen Rosenbaum, Jeff White, Scott Benza e Mike Meinardus), Star Wars – Os Últimos Jedi (Mike Mulholland, Chris Corbould, Ben Morris e Neal Scanlan) e Planeta dos Macacos – A Guerra (Daniel Barrett, Dan Lemmon, Joe Letteri e Joel Whist)

Aposta: Planeta dos Macacos – A Guerra

Por qual motivo? O que se foi feito nesse filme é algo impressionante. A realidade com a qual os personagens foram concebidos chega a ser assustadora. nada mais justo do que a estatueta da categoria.


Este post só foi possível com a ajuda de Marilene Melo e de outras pessoas que acreditam no Junta 7 e tornaram-se nossos padrinhos Jotinhas. Colabore você também clicando aqui!

Comentários

comentário(s)