Navegar por...

Artigos da categoria Cinema

SomeoneGreat_02

Vale Ver | Alguém Especial

Existe uma nova leva de comédias românticas que, por mais que reproduzam tropes do gênero, acabam trazendo coisas novas. Para Todos os Garotos que Já Amei e Podres de Rico são bons exemplos de uma mais que bem-vinda atualização do gênero que decidiu trazer pessoas mais

I_am_mother_01

Vale Ver | I Am Mother

Fazer ficção-científica é uma tarefa traiçoeira, você pode acertar na mosca com um bom uso dos tropes do gênero (alô A Gente se Vê Ontem) ou falhar miseravelmente (tô falando de você Another Life). I Am Mother, filme de estreia de Grant Sputore e distribuído pela

see_you_yesterday

Vale Ver | A Gente se Vê Ontem

Não é novidade pra ninguém que a ficção-científica é uma das muitas maneiras que as artes encontraram para debater problemas reais. Livros como Tropas Estelares, de Robert A. Heinlein, séries como Battlestar Galactica e filmes como Jogos Vorazes abordam temas corriqueiros com equivalentes doses de

unicorn_store_06

Crítica | Loja de Unicórnios

Primeiras incursões de atores na cadeira de diretor sempre rendem muita expectativa. Algumas que são atendidas e outras que acabam falhando no processo. Brie Larson, que sentou na cadeira de diretora pela primeira vez em Loja de Unicórnios (Unicorn Store, 2017), conseguiu atender e superar

star_is_born_01

Vale Ver | Nasce Uma Estrela

A internet tem a (boa?) mania de exaltar determinados indivíduos e suas produções. Ainda mais quando ela se traveste com uma roupagem nova, por mais formulaico que seja seu conceito. Nasce Uma Estrela (A Star Is Born, 2018) é um desses casos. E não, travestir-se

Ja_nao_me_sinto_em_casa_nesse_mundo_01

Vale Ver | Já Não Me Sinto em Casa Nesse Mundo

Uma coisa que tenho reparado em produções originais Netflix é que, quanto mais abaixo do radar elas são, melhor é a experiência de consumi-las. Claro, filmes badalados como Bird Box e Aniquilação merecem o hype ao redor, mas produções como Já Não Me Sinto em

Roma_netflix_04

Crítica | Roma

Eu sou uma pessoa particularmente apaixonada por filmes sobre a vida. Aquelas produções que, a princípio, dialogam com o nada, mas que no fundo apresentam histórias e construções repletas de significado. Roma é um desses casos, o tipo de filme que exalta a beleza existente