Conheça Stadia, nova aposta da Google para o mercado de games

Navegar por...

Durante seu painel no GDC 2019, a Google lançou uma novidade que promete revolucionar o mercada dos games de todo mundo: Stadia, uma plataforma que funcionará como se fosse uma “Netflix dos games“. A ideia é que ela possa se integrar ao ecossistema de dispositivos e outros serviços da Google, dando acesso instantâneo a qualquer tipo de tela, seja TV, notebook, PC, tablet ou smartphone.

O grande ponto da Stadia foca no conceito de plataforma, uma vez que o serviço utilizará os computadores da Google como centro de processamento de dados, isso tira a necessidade do jogador de ter seu próprio console ou PC para poder jogar, uma vez que todos os títulos poderão ser acessados através do Google Chrome.

De acordo com o Google (via IGN Brasil), cada servidor Stadia contem um processador x86 personalizado rodando a 2.7GHz com 16GB of RAM. Cada um também tem uma GPU personalizada da AMD que dá a capacidade de performance de 10.7 teraflops (isso é maior que a performance de PlayStation 4 e Xbox One SOMADOS) . E o sistema operacional desses servidores é o Linux. Já em seu lançamento, ele será capaz de suportar games com resolução máxima de 4k, 60fps, HDR e som surround.

Outro ponto interessante se deve ao fato de que o serviço terá seu próprio controle, o Stadia Controller. Além dos tradicionais botões, que qualquer controle gamer tem, o da Stedia ainda tem dois adicionais, um para a captura e compartilhamento de conteúdo do jogo, e outro configurado com o Google Assistente, que pode te dar uma mãozinha em determinada parte do jogo.

O Stadia ainda promete trazer algumas funcionalidades importantes para os streamers. Uma delas é a State Sharing onde, segundo o IGN Brasil, “os criadores de conteúdo podem selecionar um trecho específico do game e torná-lo acessível e jogável aos espectadores que possuem o título em questão. Dessa forma, os jogadores podem experienciar o mesmo momento do game selecionado“. Da mesma maneira, o Crowd Play “vai permitir que os espectadores de uma transmissão de gameplay possam participar da partida junto com criador de conteúdo. A Google ainda promete que o Stadia oferece “acesso a recursos quase ilimitados para desenvolvedores criarem os jogos que sempre sonharam”.

O serviço deve chegar a alguns lugares, como Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e parte da Europa ainda em 2019, deixando o Brasil sem previsão de chegada. Ainda não foi revelado como funcionará o modelo de negócio, mas é provável que ele siga o “modelo Netflix” de assinatura, com um pagamento mensal, opinião partilhada pelo CEO da Ubisoft, Yves Guillemot. Em entrevista ao Gamespot. , ele disse acreditar que “haverá uma grande variedade de opções de cobrança. Pode ser que os jogadores paguem o preço completo de um jogo. Ao mesmo tempo, talvez seja possível registrar-se para jogar uma ou duas horas por dia. Há diversas maneiras possíveis“.


Texto originalmente publicado por mim no PlayGames Brasil. Acompanhe por lá tudo o que rola no mundo dos games, através das redes sociais do site – Facebook // Twitter // Instagram

Comentários

comentário(s)