Crítica de Batman: A Piada Mortal – Quando a piada não é tão boa assim

Navegar por...

Se você é fã do Batman, assim como eu, com certeza pirou quando anunciaram a adaptação animada de Batman: A Piada Mortal, baseada na HQ de mesmo nome, que é considerada uma das melhores histórias do herói, com seu roteiro mais pesado e sombrio que o de costume, com momentos-chave que marcam a Bat-Família até hoje.

Escrita pelo “Mago dos Quadrinhos”, Alan Moore, e desenhada por Brian Bolland, foi lançada em 1998 e tem como protagonista, na verdade, o Coringa. Com o intuito de trazer aos leitores a origem do vilão, Moore nos apresenta ao passado, o primeiro contato com o Batman e o que levou esse tão conhecido personagem a ser conhecido como o Palhaço Rei do Crime. O autor, além de seu característico tom sombrio, também nos traz na HQ grande profundidade psicológica do personagem, ressaltando e trabalhando o relacionamento que o Coringa tem com o Morcego.

Joker-Batman-The-Killing-Joke-DC-Animated-Movie

Dirigida por Sam Liu e com o roteiro feito pelo quadrinista Brian Azzarello, a adaptação tem seus momentos ferasMas, ao mesmo tempo, infelizmente não alcança a profundidade que temos na HQ, além de pisar feio na bola em certos pontos específicos. Falarei melhor sobre o porque disso abaixo, então vamos lá!

Bat-Joinha:

As cenas que se tratam da HQ se mantiveram totalmente fieis, obviamente há a alteração de um quadro ali ou aqui, mas que ao fim não atrapalha em nada e quase que passa por despercebido essas pequenas mudanças, que muitas vezes acrescentam em algo para a história, nos contextualizando ou dando mais ação dos acontecimentos.

Assim como a dublagem (americana), neste ponto, temos o retorno dos veteranos Kevin Conroy e Mark Hamill (este que só reprisou seu papel por se tratar desta adaptação) como Batman e Coringa; o que não poderia ser diferente, visto que essas duas vozes já fazem parte da identidade destes personagens, principalmente para quem jogou a série Arkham.

KJ1

Por manter tal fidelidade, tanto em voz quanto cena, em diversos momentos nos sentimos como se estivéssemos lendo a HQ novamente, o cuidado que a produção teve (nesta parte) foi minucioso… Sério, as falas são um dos melhores pontos do filme.

Mas, infelizmente, os pontos positivos foram poucos se comparados aos negativos… O que me chateia muito em admitir…

HQ x Adaptação…

Durante os primeiros 30 minutos de filme, temos o que seria o prólogo da história, uma parte criada especialmente para a adaptação, que segundo o diretor complementa (e preenche tempo, afinal, sem ela sobrariam apenas 46 min) e nos aproxima da personagem da Bat-Girl/Barbara Gordon, que tem um momento crucial na trama.

Batman-the-Killing-Joke-trailer-screengrab-1.png

Nesse tempo, com o foco na heroína, vemos pontos de seu relacionamento e problemas com o Batman (com uma cena que gerou altas polêmicas para os fãs, e que também não me agradou), até chegar naquele momento “pesado” da história. Mas bem, falarei mais abaixo sobre o porque esses 30 minutos iniciais estragaram o roteiro.

Os traços, ah, os traços… Se você conhece os de Bolland, possivelmente – ou com certeza – pode se decepcionar com o que usaram para o longa, principalmente no Coringa, Gordon e Batgirl. Ao invés do “realismo” adotado pelo quadrinista, que se encaixa perfeitamente com o teor apresentado, temos o típico estilo animado da DC, o que tira a tensão e seriedade característicos da HQ, fugindo da proposta de Moore ao criá-la. Com tal mudança, temos a sensação de que estamos vendo qualquer outra animação da DC, tudo bem, é “animação”, mas bem, só tem um problema, é de A Piada Mortal que estamos falando.

kj1

Batgirl x Coringa

Aqui começo os pontos negativos do longa. Gente, quando Alan Moore roteirizou A Piada Mortal, sua preocupação ficou em construir um conteúdo de análise psicológica do Coringa, mostrando como nasceu sua insanidade, narrando seu passado enquanto faz suas atrocidades, que para ele servem de espelho para suas ações. Porém, não vemos isso no filme, e quem ganha o destaque é a Bat-Girl!

the-killing-joke-batgirl

Se você leu, sabe qual é o papel da personagem, mas esses 30 minutos iniciais fizeram com que fique a impressão de que o Coringa é apenas mais um vilão qualquer, escolhido só pra dar aquela tensãozinha ao roteiro, mas que também poderia ser qualquer um outro. E isso me decepcionou muito! Tá, é legal mostrarem um pouco da personagem, e até ajuda a quem não leu/conhece a saber de quem se trata, mas abusaram demais disso.

Killing_Joke_8

E com isso, o roteiro nos guia de forma que ela passe a ser o centro de tudo, roubando o destaque que deveria ser do Palhaço, o que torna a adaptação de Batman: A Piada Mortal vazia e distorcida de seu original. Eu não sei o que Moore acha do que fizeram de sua consagrada história mas, se ele ficar satisfeito, ficarei muito surpreso. Visto que ele não ficou muito feliz com a Elektra de Daredevil.

Santa pisada na bola, Batman!

Continuando o assunto do traço utilizado, foi um erro utilizarem algo tão cartoon para o longa. Pô, porque não mantiveram algo próximo do original? Assim como na adaptação de O Retorno do Cavaleiro das Trevas, e por que não agora!? Dá certo, e muito! Essa característica influencia – a meu ver – em tudo que você quer passar ao público, é análise semiótica, povo!

barb

Ao trazer o estilo “Liga da Justiça: Sem Limites”, a adaptação de A Piada Mortal perde seu realismo, e, com isso, sua seriedade, não nos passando totalmente o que é visto na HQ: a tensão e desespero das personagens, ficando algo muito “infantil”, frente à temática adulta do longa que foi classificado +18. Logo, por este fator, não senti a mesma imersão que tive quando a li. E isso foi desconfortável, sou fã, quero service, pô. Pode parecer bobeira, mas o traço, meu amigo, o traço é que nem sonorização: Tudo.

E por falar em sonorização, que erro, ein produção? Gente, falarei agora (meio que) especialmente para quem leu, porque é sobre o ápice da HQ: o final (mas não darei spoilers, relaxem!). Bem, se você tem a HQ em casa, pegue ela e vá até a última parte, se você não tem, clique aqui e você poderá ler online ou baixá-la. Inclusive, se você não leu, leia, ela é bem curta se lida superficialmente, e pô, vale a pena demais!

Kj2

Mas voltando, vá até a última parte e veja os elementos presentes nos últimos seis quadros, são CINCO os elementos importantíssimos para o desfecho da história, percebe a sincronia deles e a forma que cada um termina, cara, é daí que vem o nome da HQ! É o ponto que até hoje deixa em aberto o que aconteceu, que cê pode sentar numa mesa de bar e passar 2 horas falando disso sem ter uma conclusão concreta! Nem o próprio Moore comenta sobre.

E no filme essa parte ficou vazia, mas tão VAZIA, cara! Como pode isso? Eu como fã realmente fiquei/estou chateado e decepcionado demais! Ok, a cena da “piada” é ótima, a dublagem de Hamill e Conroy é sensacional e igualzinha na HQ, mas não me deu a mesma sensação que tive ao ler.

btkj103583

E mano, os caras adaptam perfeitamente diversas HQ’s e erram logo na que ganhou o Prêmio Eisner de “Melhor Graphic Novel”… E logo o final, que para mim é a parte mais importante da HQ, os caras não foram 100% fieis, pô, e tudo por causa da falta de sonorização, que mancada, meu!

Finalizando…

Sim, Batman: A Piada Mortal me desagradou em diversos momentos e não alcançou metade das minhas expectativas, principalmente em seu final. O roteiro foge de pontos extremamente importantes da HQ e deixa muito superficial o personagem do Coringa, ao invés de aprofundá-lo mais ainda. A redação do Junta até comentou que o filme poderia ter sido melhor se o foco do começo fosse em cima do vilão e seu passado, aumentando sua importância e destaque.

Mas, mesmo com esses problemas, não nego que há momentos que me agradaram muito, mas apenas quando se trata da adaptação nua e crua dos quadros; é sensacional ver a HQ “se movimentando”, o que é melhorado, como já dito, pelas falas; para os amantes dessa história é quase que impossível não falar junto dos personagens (claro, se você conhecer o trecho).

batman-killing-joke-7

Finalizando, SIM, veja o filme, vale a pena! Mesmo com os graves tropeços que nos acertam como um certo pé de cabra aí. Batman: A Piada Mortal já está à venda por R$ 19,90 na Saraiva, e tem sua classificação etária para +18. Você pode encontrar sua Graphic Novel, também na Saraiva, a partir de R$ 16,00, com sua edição definitiva por R$ 45,00. Mesmo com o preço salgado, vale a pena, se você ainda não tem, adquirir essa belezinha!

Valeu, galera.

Salvar

Salvar

Batman: A Piada Mortal

Batman: A Piada Mortal
6,7

Roteiro

5/10

    Personagens

    8/10

      Traço

      7/10

        Sonorização

        6/10

          Adaptação

          8/10

            Pros

            • Adaptação da HQ
            • Dublagem
            • O nome, mas só o nome

            Cons

            • Roteiro pisa na bola
            • Foge da proposta de Moore
            • Os 30 minutos de Bat-Girl
            • Batman e Bat-Girl
            • Traço utilizado

            Comentários

            comentário(s)