Gosta de desafios? Então escape do inferno comunista em Black The Fall!

Navegar por...

Salve, Jotinhas. Antes de mais nada, não, não estou interessado em tretas de direita ou esquerda, só vos trago a análise de um conteúdo com base naquilo em que ele foi idealizado e projetado.

No texto de hoje irei vos falar a respeito de um game single-player, indie e side-scrolling com estilo quebra-cabeça lançado pela Square Enix em julho de 2017 chamado Black The Fall.

Desenvolvido pelo estúdio romêno Sand Sailor Studios, o jogo partiu de uma campanha de financiamento kickstarter que posteriormente ganhou uma (baita) ajudinha da Square Enix para a sua publicação, e o conceito de Black The Fall atua como uma crítica ao regime comunista que envolveu a Romênia até o final da década de 80; sendo um dos últimos países do leste europeu em que o regime comunista se manteve no poder, e que teve sua queda nada pacífica.

Primeramente, o trailer:

Gameplay

Mas bem, vamos ao que interessa; como vimos, o distópico jogo é ambientado no regime comunista e nosso personagem é um trabalhador maquinista que busca a liberdade em meio a este ambiente depressivo e duro. Para isso, devemos escapar deste sistema enfrentando diversos tipos de máquinas mortais e os guardas nada agradáveis.

Black-the-fall1

Logo de começo já notamos a dificuldade do gameplay, que não explica nada, contendo apenas algumas dicas dentro do próprio estágio sobre o que fazer, mas basta um passo errado para você ser dizimado por uma sub-metralhadora. Para evitar isso, o unico caminho para continuar sua jornada é agir de maneira furtiva; evitando assim chamar a atenção de guardas, câmeras e robôs mortais.

Sem muitos segredos, a jogabilidade de Black The Fall é o básico de jogos 2D: andar pra frente ou para trás, correr, agachar, pular e interagir com objetos, tudo muito simples e direto, mas que durante o jogo se faz importante saber o que usar e onde. A cada cenário que passamos temos que ter uma visão geral dos perigos e segredos do local, para só então irmos em frente. De certa forma, após algum tempo jogando, acabamos por sacar qual é a melhor solução para avançar de maneira segura em meio aos perigos.Black-the-fall4

O jogo em si não é longo, totalizando no máximo de 3 ou 4 horas se jogado ‘diretão’ mesmo (segundo o site How Long To Beat), mas esse tempo pode variar conforme os jogadores fiquem presos a determinado puzzle, demorando para avançar de fase. Outro problema (nosso, não do jogo) é quando nós queremos fazer tudo rápido demais: no começo pode parecer muito óbvio o que devemos fazer, mas um passo em falso (como eu já disse) basta pra que você seja evaporado.

Ambientação e trilha-sonora

De fato o jogo lembra muito Limbo ou Inside, da PlayDead, por conta de sua atmosfera dark e densa. Os cenários de Black The Fall são deprimentes e escuros, como é suposto ser. O tempo todo o jogo passa um sentimento triste e frio, que são reforçados pelos sons metálicos das máquinas.

Porém isso não tira a beleza da ambientação, sendo um jogo visualmente muito bem trabalhado; mesmo não possuindo uma vasta paleta de cores, em meio à ambientação fúnebre temos pequenos contrastes de luz e cor em nosso personagem e nas máquinas, estas com seus visores vermelhos que se destacam na morbidez dos cenários.

Já a trilha-sonora do jogo acaba sendo quase isenta, mesmo que presente de maneira muito leve. Sua ambientação sonora inunda o jogador de sons metálicos e robóticos, o que acrescenta para compor sua ambientação depressiva, e que por vezes chega até a ser sufocante por conta da repetição de baques metálicos.

O jogo envolve o jogador?

Sim, sem dúvidas. Como eu disse acima, a trilha-sonora é quase ausente, mas é marcante em determinados momentos, principalmente quando sentimos o peso daquilo que o jogo deseja passar aos jogadores.

A história triste de um trabalhador escravizado, que nem rosto ou nome tem (pelo menos até onde joguei), só reforça a opressão do regime em que o jogo é ambientado: não somos ninguém, só queremos nossa liberdade. É assim que você consegue analisar aquela personagem que tem apenas um objetivo.Black-The-Fall_20170712164306

Conforme o jogo vai avançando em determinado ponto ganhamos a agradável companhia de um robô-cão (ou aranha, prefiro cães), que nos auxilia durante as fases e que com o tempo constrói uma relação de amizade com o maquinista.

Pontos negativos?

Olha, sendo bem sincero, até o momento não encontrei nada de negativo no jogo, tudo funciona bem e sem bugs, seja no cenário ou na jogabilidade. Por ser um jogo sem muitos pormenores, acredito que isso tenha facilitado na hora dos testes, nos entregando um jogo que ao nível de experiência acaba por ser muito bem sucedido.

Onde comprar?

Black The Fall é um jogo multi-plataformas, sendo encontrado na Steam para Windows, Linux e OS X e também para PS4 e XBOX One.

Sem dúvidas Black The Fall é um pequeno-grande game que vale a pena ser jogado por todos, sendo um ótimo companheiro para aquele incrível momento em que nós paramos e pensamos ‘puts, o que eu jogo? Não tem nada de jeito aqui pra jogar’ (mesmo que tenhamos 50 jogos salvos) e principalmente para os amantes do estilo side-scrolling.

E você, já jogou Black The Fall? Se sim deixe nos comentários o que achou e compartilhe sua opinião conosco!


Este post só foi possível com a ajuda de André Cabrero e outras pessoas que acreditam no Junta 7 e tornaram-se nossos padrinhos Jotinhas. Colabore você também clicando aqui.

Comentários

comentário(s)