Hugh Jackman reitera seu talento musical em ‘O Rei do Show’

Navegar por...

No fim de 2016, La La Land surgiu como um sopro de esperança por dias melhores para os fãs de musicais. Sem uma grande produção do gênero desde 2012, quando Os Miseráveis foi a bola da vez, o filme dirigido por Damien Chazelle abriu novas portas para o gênero.

A concretização dessa ideia veio no fim de 2017, com a estreia de O Rei do Show nos cinemas. Protagonizado por Hugh Jackman, o filme não soa com a pretensão de ser grande como foi com La La Land. Apesar disso, sua execução foi necessária para dar novos velhos ares ao gênero.

01-the-greatest-showman-hugh-jackman-vogue-september-issue-2017

O filme conta, de forma bem romantizada, a vida de P. T. Barnum, considerado o “pai” do show biz americano do século 19. Ele foi o responsável pela fundação daquele que viria a ser o Ringling Bros. and Barnum & Bailey Circus, fundado em 1870.

Como é retratado no longa, Barnum foi o responsável por dar espaço para os mais diversos tipos de indivíduos, criando desta forma, o seu próprio freak show. Esse termo era utilizado no passado para retratar espetáculos onde pessoas fora do padrão se apresentavam. Aqui veremos exemplos clássicos, como a Mulher Barbada, muito bem interpretada por Keala Settle ou O Homem Mais Gordo do Mundo.

Para quem conhece o trabalho de Hugh Jackman apenas pelo universo dos super heróis, não sabe o que está perdendo. Seu talento vocal mais uma vez vem a tona, o que o torna o “pacote” de ator completo. Além da atuação, ele trabalha muito bem na parte de coregrafia no longa.

Ainda trabalhando no núcleo familiar de Barnum, vale destacar a atuação sólida de Michelle Williams, que deu vida a personagem Charity Barnum, esposa do protagonista. Sua participação foi firme em todos os momentos, sejam os de mais ternura, quanto os mais dramáticos.

Greatest-Showman

E como era de se esperar de um musical, a trilha sonora é o ponto alto do filme. Atrelada com coreografias perfeitamente executadas, as músicas encantam o espectador. E não é para menos, já que elas foram escritas por Benj Pasek e Justin Paul.

A dupla, que ganhou o Oscar de Melhor Canção Original por City of Star, em La La Land, agora conta com a parceria de John Debney e Joseph Trapanese para esse novo filme. E a chance de dobradinha é real, já que This is Me levou o Globo de Ouro como Melhor Canção Original.

O filme, que já começa com uma grande apresentação musical, ainda tem espaço para uma subtrama Phillip Carlyle (Zac Efron) e Anne Wheeler (Zendaya). A dupla tem uma linda atuação Rewrite the Stars, em uma cena onde os dois integrarem com um trapézio. Não vou mentir, os fãs de High School Music vão sentir a nostalgia batendo.

O filme é mais um belo trabalho de Hugh Jackman. O australiano segue com a voz afiada. Para quem lembra de sua atuação em Os Miseráveis, ficará feliz em vê-lo cantando novamente.

Dirigido pelo estreante Michael Gracey, O Rei do Show ainda está nos cinemas de todo o Brasil.


Este post só foi possível com a ajuda de Marilene Melo. Ela e muitas outras pessoas que acreditam no Junta 7 e tornaram-se nossos padrinhos Jotinhas. Colabore você também clicando aqui.

Comentários

comentário(s)