‘It: A coisa’ é um ótimo remake

Navegar por...

Por Gustavo Diccine

Se você é fã do livro e veio com pedras na mão por conta do título, vamos com calma. Quero tentar te convencer da minha opinião. Nas últimas décadas, tivemos outros remakes como Halloween (2007), Sexta-feira 13 (2009), A Hora do Pesadelo (2010) e O Chamado em (2017).

Então chegou a hora de It: A coisa, inspirado no clássico de Stephen King e que tem a direção de Andy Muschietti, conhecido pelo filme Mama (2013). Os outros remakes foram muito bem vindos, tanto ao público em geral, quanto a mim, que sou grande fã das obras de terror. E falando em público, em seu primeiro final de semana, It arrecadou mais de US$ 100 milhões.

Sinceramente, fui ao cinema sem muitas expectativas e geralmente isso me faz analisar o filme mais friamente e sem tanta emoção. Não esperava ver as mesmas cenas da primeira versão das telas, até porque já faz 27 anos desde então.

O filme começa de maneira bem nostálgica, com a famosa cena do bueiro e dá início aos mistérios da trama, que te mantém curioso por respostas quase até o final do filme. Não esperava muito além de referências e acabei me surpreendendo.

maxresdefault

Alguns críticos se baseiam na primeira obra pra falar de remakes ou em outras versões. Mas o que me fez gostar muito desse último filme é o contraste do filme entre comédia e terror. As cenas tensas são violentamente interrompidas em certos momentos pela ótima e cômica atuação das crianças no filme.

Fica claro o quanto o filme bebe de Stranger Things e a onda de filmes com trilhas sonoras nostálgicas e animadas. Curioso saber que algumas pessoas pensam que o longa é inspirado na série da Netflix. Os efeitos especiais são muito bem produzidos e isso traz bons sustos, prepare o coração.

No decorrer do filme, fiquei preocupado em como seria feita amarração entre alguns episódios isolados, inclusive em relação à cidade de Derry. No fim das contas, as justificativas ficam aceitáveis para os episódios contados no filme, apesar do roteiro poder apresentar algumas falhas.

maxresdefault (1)

Algo que me deixou um pouco curioso é não saber a real origem do palhaço Pennywise, interpretado por Bill Skarsgård, mas não quer dizer que estraga a experiência com o longa. Não é o suprassumo dos filmes de terror, mas é uma ótima opção para tomar bons sustos, deixar a companhia de cabelo e em pé e dar ótimas risadas.


Este post só foi possível com a ajuda da André Cabrero e outras pessoas que acreditam no Junta 7 e tornaram-se nossos padrinhos Jotinhas. Colabore você também clicando aqui.

Comentários

comentário(s)