Manda que eu escuto #17 – Pentatonix

Navegar por...

Na roda de amigos, é sempre interessante ver como qualquer papo flui. Não sei na de vocês, mas na minha, a gente acaba falando de praticamente tudo, desde política, até Pokémon Go.

Conversa vai, conversa vem e não é difícil de chegarmos no assunto música. Como são várias cabeças, e que pensam de formas diferentes, cada um tem sua predileção. Música clássica, pop, hip hop, latina e por aí vai.

E tem aqueles que gostam mais da voz do que qualquer outra coisa, como é o caso do meu amigo Douglas Adão. No meio de uma dessas conversas musicais ele sugeriu um grupo que está em todas, mas de um jeito único.

O Pentatonix é um grupo que sabe trabalhar muito bem a questão vocal, fazendo todas as suas apresentações a capella. Independente do ritmo da música, eles sabem dar uma roupagem única para ela.

E é por isso que eles são os personagens do ‘Manda que eu escuto‘ desta semana. Vamos conhecer um pouco mais o trabalho deles? Se liga só.

Photo by Derek Brad. Taken at the Electric Factory in Philiadelphia on March 30, 2014

Pentatonix durante o Electric Factory, na Philiadelphia (Foto: Derek Brad)

A história do Pentatonix teve início com três amigos de longa data. Kirstin Maldonado (Kirstie), Mitchell Grassi (Mitch) e Scott Hoying se conheceram na Martin High School, na cidade de Arlington, no estado americano do Texas.

O grupo surgiu meio que ao acaso, para poderem participar de uma audição de uma estação de rádio local. O objetivo? Conhecer o elenco de Glee. Para tentar o feito, o trio fez sua própria versão, a capella, de “Telephone”, da cantora Lady Gaga e com participação de Beyoncé. A vitória do concurso não veio, porém o trio começou a ganhar notoriedade no colégio, onde começou a se apresentar.

Com o avançar do tempo, o estudo fez com o que o grupo se separasse. Scott foi para a Universidade do Sul da Califórnia para conseguir um bacharelado em Música Popular, enquanto Kirstie visou o mestrado em Teatro Musical na Universidade de Oklahoma. Mitch, que estava um ano atrás, acabou ficando em Arlington para concluir o ensino médio.

Apesar dessa distância, o que a música uniu, a distância não separa. NA USC, Scott se juntou ao grupo SoCal VoCals. Através de Ben Bram, que fazia parte deste grupo novo, ele ficou sabendo do The Sing-Off, um programa da NBC, apenas para grupos a capella, e foi incentivado a participar.

Convencer Kirstie e Mitch a acompanhá-lo, mas para o show foi a parte fácil. O “complicado” foi se adequar a uma das regras do show, que exigia grupos de cinco participantes. Para isso, Scott conheceu Avriel  Kaplan (Avi) através de um amigo em comum. Avi já era conhecido na comunidade a cappella por fazer um baixo-vocal de alta qualidade. Além dele, o  trio encontrou Kevin Olusola no YouTube, por causa de um de seus vídeos em que ele estava fazendo beatbox e tocando seu violoncelo, ao mesmo tempo .

Surgiu assim o Pentatonix. O nome foi sugerido por Scott Hoying e teve como referência a escala pentatônica, que é a denominação dada ao conjunto de todas as escalas formadas por cinco notas ou tons. O grupo gostou, pois acreditava que as cinco notas da escala combinavam com eles por eles serem um quinteto. Aí foi só trocar o C final de ‘Pentatonic’ (original do inglês) pelo X para dar mais destaque. E funcionou.

Pentatonix - World Tour Concert Stream

A silhueta dos integrantes durante um dos shows da turnê mundial

O grupo foi se conhecer de verdade apenas um dia antes das audições para a terceira temporada de The Sing-Off terem começado. A vontade era tanta que Mitch Grassi deixou de ir a sua cerimônia de formatura do ensino médio, a fim de chegar a tempo para as audições.

Já no programa, o grupo mostrou sua pluralidade musical, marca que levam até hoje. Mesmo seguindo o roteiro do programa, nas 14 vezes que se apresentaram no The Sing-Off, eles mostraram uma gama muito grande de músicas. Eles estrearam com E. T, de Katy Perry e terminaram vitoriosos com Eye of the Tiger, do Survivor. Isso sem contar Kanye West, Britney Spears, Steppenwolf, Usher e muitas outras canções pelo caminho.

Como prêmio, além de uma bolada, de US$ 200 mil dólares, o Pentatonix conseguiu um contrato com a Sony Music. Dali para frente, apenas sucesso no caminho do grupo.

O primeiro EP (Extended Play – é uma gravação em disco de vinil ou CD que é longa demais para ser considerada um single e muito curta para ser classificada como álbum musical) do grupo saiu em 2012, um ano após a vitória no show. Intitulado PTX Vol. 1, o EP alcançou o 14º lugar na Billboard 200. Seu sucessor, PTX Vol. 2, lançado em 2013, também foi muito bem,  estreando em 10º lugar na lista da Billboard.

jea 0551 pentatonix.JPG

Kirstin Maldonado, Mitchell Grassi e Scott Hoying durante apresentação no Texas

O primeiro disco em estúdio foi lançado outubro de 2015, quando o grupo lançou Pentatonix. Com característica predominantemente original, onde os membros da banda recebem créditos de composição individual para a maioria das faixas o álbum foi muito bem, beirando a marca das 100 mil vendas. Além disso, ele liderou a tabela Billboard 200.

Desde o começo da carreira, o Pentatonix já lançou cinco discos, sendo dois especiais de Natal. Destaque para That’s Christmas to Me, que ganhou duas vezes o disco de platina nos Estados unidos. Além desses, o grupo tem quatro EP’s, cada um com mais de 200 mil vendas. Sem contar o Grammy de 2015 como ‘Melhor Arranjo’.

Além de todo o sucesso na música, o canal deles no Youtube também vai muito bem, obrigado. Ao todo, ele tem mais de cem vídeos, que juntos somam mais de 13.5 milhões de inscritos, além de 2.6 bilhões de visualizações.

A movimentação mais recente do grupo, porém, não é das melhores. Em maio deste ano, Avi Kaplan anunciou seu desligamento do grupo para seguir carreira solo. Apesar de estar sem seu baixo-vocal, o Pentatonix segue sua turnê pelo Estados Unidos.

– TOP 3 –

Rather Be (Clean Bandit Cover)

Clean Bandit acabou se tornando uma de minhas bandas prediletas desde que ganhou o seu o próprio ‘Manda que eu escuto.’ E para a minha surpresa, o Pentatonix fez um cover de uma das minhas músicas favoritas. O legal da versão é o destaque que ele dá para a voz de Kirstie Maldonado.

Bohemian Rhapsody (Queen Cover)

É Queen. É Bohemian Rhapsody. Isso fala por si só… Próximo!

Radioactive – (Imagine Dragons feat. Lindsey Stirling) 

Quando se trata em música instrumental no Youtube, Lindsey Stirling é um dos grandes nomes. E a combinação do som dela com o do Pentatonix ficou MUITO bom. A mistura do violino, com o a capella e mais o violoncelo de Kevin Olusola torna o cover da música do Imagine Dragons tão bom (até melhor) quanto o original.


Já conhecia o trabalho do Petatonix? Deixe nos comentários o que você achou da dica e acompanhe o trabalho delesno Spotify;

E a coluna “Manda que eu escuto” não sobrevive sem o seu comentário! Qual a sua sugestão musical para aparecer na coluna? Você também pode enviar um e-mail para juntacast@gmail.com. Manda que eu escuto, sim!


Este post só foi possível com a ajuda de André Cabrero e muitas outras pessoas que acreditam no Junta 7 e tornaram-se nossos padrinhos Jotinhas. Colabore você também clicando aqui.

Comentários

comentário(s)