O pop etéreo de Kelsey Lu

Navegar por...

Você provavelmente já ouviu o trabalho de Kelsey Lu no mundo da música antes. A jovem californiana de 27 anos já colaborou com Florence + The Machine, Solange, Blood Orange e Sampha. Colaborações que a colocaram no local ideal para o lançamento do seu álbum de estreia, Blood.

Lu foi criada dentro das Testemunhas de Jeová e recebeu muita influência musical dos pais — a mãe uma pianista e o pai percussionista —. Em entrevista a V Magazine em 2018, a cantora declarou que a busca por se conectar com a música de maneiras mais poderosas a ajudou a enfrentar diversos quadros depressivos.

Ao longo dessa busca por maiores conexões, Lu foi pinçando diversos estilos musicais, desde rap e hip-hop até de volta à musica clássica e seu domínio do violoncelo. Toda essa mistura de influências e a visão que ela tem do mundo e das pessoas culminaram em dois trabalhos excelentes com o EP Church, de 2016, e o álbum lançado em abril desse ano.

É até difícil definir o que Kelsey Lu produz, o folk se funde de maneira natural com a música clássica e o pop com toques de R&B resultando em um som único. Claro, se você gosta do trabalho de Florence Welch, é quase certeza que você irá gostar de Lu (conheci o trabalho dela justamente por recomendação de Welch no Instagram).

Enquanto Church trabalha um som totalmente experimental, como se ela estivesse ainda buscando afinar sua própria voz, Blood soa bem mais centrado. Algumas canções do álbum, como “Poor Fake” e “Due West”, trabalham batidas que geram uma identificação maior com o público mais casual, não sem deixar espaço para despertar curiosidade pela estranheza inicial.

E é na estranheza inicial que reside a beleza de Kelsey Lu. O som dela, somado à clipes belíssimos (alguns deles sob a direção de Vincent Haycock, diretor de clipes de Calvin Harris, Florence Welch, U2 e Paul McCartney) garante uma catarse surpreendente.

Nos clipes, existe uma conexão impecável entre fotografia, música e a dança protagonizada por Lu. Penso que o trabalho dela é tão único e instigante que ele não deve ser consumido de maneira casual, Kelsey Lu produz obras dignas de serem contempladas.

Já conhecia o som de Kelsey Lu? Deixe nos comentários qual artista do mundo da música gostaria de ver comentado aqui no Junta 7!


Ajude o Junta 7 a crescer participando da nossa campanha de financiamento coletivo do Padrim. Para participar e conhecer nosso plano de recompensas, clique aqui!

Comentários

comentário(s)