Quem é você, Alasca? e por que não haverá filme?

Navegar por...

Oi gente linda!!!

Essa semana o pessoal foi a loucura quando o John Green anunciou que provavelmente sua obra “Quem é você, Alasca?” não vai virar filme. Isso mesmo! Ela foi engavetada. Além disso, o autor publicou em seu Twitter:

“Já que isso tem tantos RTs, eu acho que devo dizer: Não haverá filme de ‘Quem é você, Alasca? ‘ (do meu conhecimento, pelo menos)”.


O que acontece é que o autor não tem controle sob os direitos do filme, já que a Paramount é responsável dos direitos não tem planos futuro para a adaptação. Porém, muitos outros problemas aconteceram como o corte da atriz, etc. E aproveitando todo esse alvoroço quero fazer uma rápida crítica do livro para vocês.

O livro acompanha a vida de um garoto chamado Miles, típico anti social em sua antiga escola, que se muda para um colégio interno no Alabama, onde conhece seus dois melhores amigos, Coronel e Takumi, além disso, se apaixona pela enigmática Alasca, uma garota totalmente desestruturara emocionalmente, apesar de não aparecer no começo da história, sofre muito com a ausência da mãe e se culpa por tudo de ruim que acontece. 

Juntos eles se aventuram e causam grandes confusões no colégio. Na época em que o livro foi lançado houve muita polêmica, e a obra foi até banida de diversas escolas dos EUA por fazer algumas descrições de sexo entre adolescentes (nada que esses adolescentes para frente de hoje em dia não saibam).

3

Enfim, o livro passou bem longe de minhas expectativas. Não me culpem por não gostar do John Green, ta bom? Infelizmente, a leitura pouco envolve e você prevê o que acontece com  a garota muito rápido diferentemente de “Cidades de Papel”.

Para quem está interessado em ter uma leitura sem compromisso, ele é ideal, porque é de linguagem fácil e são poucas páginas, mas é entediante e sem emoção, exceto pelo último trote que os colegas organizam no colégio (única parte realmente boa do livro).

Caso o livro seja adaptado, provavelmente você morrerá de tédio ao ir assistir, pois seria pior que a “Culpa é das Estrelas”, ou seja, sem final definitivo, já que foi apenas um momento de reflexão na vida de um garoto, e que pode se aplicar a sua vida ou não. Porém, não deixem de ler o livro se a curiosidade despertar.

Grande beijo de luz!

aliana-gabriele

 

 

Comentários

comentário(s)