Vale Ver | Alguém Especial

Navegar por...

Existe uma nova leva de comédias românticas que, por mais que reproduzam tropes do gênero, acabam trazendo coisas novas. Para Todos os Garotos que Já Amei e Podres de Rico são bons exemplos de uma mais que bem-vinda atualização do gênero que decidiu trazer pessoas mais diversas para o elenco do que o padrão Kate Winslet/Matthew McConaughey que dominavam as produções.

Alguém Especial (Someone Great, 2019), produção da Netflix escrito e dirigido por Jennifer Kaytlin Robinson (criadora da série Sweet/Vicious), é mais uma boa atualização para o gênero, apesar de esbarrar em algumas limitações.

No filme, Jen (Gina Rodriguez) é uma repórter de música que recebe uma proposta de emprego para deixar Nova Iorque e trabalhar pela Rolling Stone em San Francisco. Ela aceita a oportunidade de ouro, mas vê seu relacionamento de nove anos com Nate (LaKeith Stanfield) acabar repentinamente no processo. Abalada com o término, Jen recebe ajuda de suas duas melhores amigas, Blair (Brittany Snow) e Erin (DeWanda Wise) a superar a separação e curtir uma última noite antes de se mudar para uma nova fase na vida e na carreira.

Alguém Especial faz um bom trabalho ao não ser apenas um filme sobre uma moça querendo superar um término, ele vai além ao explorar as diferentes abordagens e configurações que damos para nossos relacionamentos, sejam eles amorosos ou não.

SomeoneGreat_01

E isso é mostrado não apenas na história de Jen, mas com Blair e Erin também. Cada uma das três amigas encaram um dilema diferente, Blair quer se separar do namorado bobalhão (Alex Moffat) enquanto que Erin precisa admitir estar em um relacionamento sério, por mais que prefira se esquivar das cobranças da namorada (Rebecca Naomi Jones).

É bem-feita a forma como o filme mostra que relacionamentos podem existir como uma espécie de “data de validade” e que isso não necessariamente precisa ser algo ruim. Alguém Especial mostra que separações não são o encerramento de histórias, e sim a transformação de uma história em algo novo, é um ponto de vista interessante e que o filme sabe apresentar bem através de um roteiro que acerta em muitos momentos.

Entretanto, por mais que o roteiro consiga fazer-se claro em explicar como devemos encarar o fim de um relacionamento, Alguém Especial falha na estrutura. O filme é pontuado por situações aleatórias para zombar de estereótipos e fazer referências a produtos da cultura pop (de citações à trilha sonora que parece estação de rádio), o que pode até ser divertido no começo, mas que pouco acrescenta a trama.

Afinal, para que serviu a cena em que Jen e suas amigas visitam um riquinho metido a influenciador (Jaboukie Young-White) além de zombar de esquerdomacho piloto de hoverboard? Apesar de divertida e bem interpretada, pouco acrescente às 1h32 de filme. O mesmo da presença de RuPaul Charles como a traficante Hype, ajudou a expor um pouco dos dilemas de Jen, mas não fez mais que isso, um desperdício de RuPaul.

Por sorte, grande parte dos problemas de Alguém Especial são ofuscados pelo trio de protagonistas bem entrosadas. Gina Rodriguez é sempre um deleite e a atriz sabe segurar o protagonismo como ninguém, revestindo sua Jen com um carisma ímpar. A química da atriz com as personagens de Snow e Wise é palpável, é fácil comprar os fortes laços de amizade que unem as três.

Alguém Especial é uma atualização ao gênero das comédias românticas ao se mostrar maduro e extremamente contemporâneo, até em seus defeitos.

Já assistiu Alguém Especial? Deixe seus comentários!


Ajude o Junta 7 a crescer participando da nossa campanha de financiamento coletivo do Padrim. Para participar e conhecer nosso plano de recompensas, clique aqui!

Comentários

comentário(s)