‘Viva – A Vida é uma Festa’ é mais um grande acerto da Pixar

Navegar por...

Por incrível que pareça, fazer a crítica de um filme não é uma das tarefas mais simples. Existem “N” maneiras de se fazer isso e a mesma quantidade de fatores para determinar se uma obra é tudo aquilo que parece.

Talvez eu devesse esperar mais tempo para escrever esse texto, coisa de horas, mas eu precisava falar. Estava influenciado pelo hype da produção, confesso. E estou em êxtase pois acabei de acabá-lo. Provavelmente não serei capaz de citar coisas negativas por isso, mas o show precisa continuar.

Antes de tudo, só tenho uma coisa a dizer: obrigado por ‘Viva – A Vida é uma Festa‘, Pixar.

Miguel e Dante

Miguel e Dante, seu fiel escudeiro

O filme conta a história de Miguel (Anthony Gonzalez), um garoto de 12 anos que mora com sua família em um vilarejo mexicano. Apaixonado por música, ele tem a resistência de sua família, já que ela foi banida de suas convivências há muito tempo, desde quando seu tataravô abandou mulher e filha para seguir a carreira.

Apesar disso, ele tem o sonho de se tornar artista, mesmo tendo sua avó Elena (Renée Victor) como grande opositora. Mesmo com a resistência familiar, que quer que o garoto entre para o ramo calçadista, tradição da família Rivera, ele insiste e ir atrás de seu sonho, inspirado pelo ídolo Ernesto de la Cruz (Benjamin Bratt).

No Dia de los Muertos, o garoto vai tentar mostrar o seu valor, mas coisas acabam impedindo que isso aconteça. A ideia e dar o mínimo de spoilers (praticamente nada) para que você possa apreciar o filme caso leia isso antes de ir. E é aqui que tudo começa.

1033101-first-full-length-trailer-arrives-pixars-coco

Miguel e sua família no Mundo dos Mortos

Na tradição mexicana, na data para exaltar aqueles que já se foram, uma ponto é criada entre o nosso mundo e o dos mortos. Todos aqueles que recebem “oferendas” de lembrança ganham a chance de voltar à Terra para rever família e amigos, mesmo que não haja contato, só a parte espiritual.

Na Terra dos Mortos, Miguel terá a oportunidade de encontrar com antigos familiares que já não pertencem ao nosso plano. E eles serão responsável por fazer com que o menino voltasse para a vida. O que parecia simples se torna complicado por conta das restrições que sua tataravó Amélia (Alanna Ubach) impõe.

Por conta disso, o garoto tentará encontrar um outro viés para voltar para a vida e terá a ajuda de Héctor (Gael Garcia Bernal) para buscar essa alternativa.

BLESSED? – Aspiring musician Miguel learns from the head clerk in the Department of Family Reunions in the Land of the Dead that he’ll need a blessing from a family member to return to the Land of the Living. But Miguel’s great-great-grandmother Mamá Imelda’s blessing comes with an unfortunate condition. Featuring Anthony Gonzalez as the voice of Miguel, Gabriel Iglesias as the voice of the clerk and Alanna Ubach as the voice of Mamá Imelda, Disney•Pixar’s “Coco” opens in U.S. theaters on Nov. 22, 2017. ©2017 Disney•Pixar. All Rights Reserved.

Miguel e e sua tataravó Amélia

O filme trabalha com uma perspectiva muito positiva da vida pós-morta. Seja por conta do roteiro ou só pela lenda do Dia de Los Muertos, isso acaba funcionando muito bem. É legal mostrar esse viés para um público infantil.

Apesar disso, nem tudo são flores do além. Um dos conceitos mais interessantes apresentados em Viva – A Vida é uma Festa é o da morte final. Na mitologia do filme, quando mais ninguém do mundo dos vivos lembra de vocês, isso se reflete de forma trágica no mundo dos mortos.

Outra conceito bem trabalho é o de guias espirituais, que ganham vida na forma dos mais diversos animais. Aqui uma “grande” revelação é feita

Miguel e Héctor

Miguel e Héctor

Por ter ambientação em um país latino, duas coisas ganham destaque. A primeira é a quantidade de cores em tela, ou fotografia, se ficar mais fácil de entender. O que poderia ser um desastre pela mistura de tonalidades, só vem para realçar a beleza de tudo o que é apresentado.

Além disso, a trilha sonora é algo a parte. Simplesmente fabulosa. Toda a parte instrumental foi composta por Michael Giacchino, Germaine Franco, Adrian Molina, Robert Lopez e Kristen Anderson-Lopez escreveram as canções. Fique de “orelha em pé” com Remember Me.

E para não dizer que eu não critiquei nada, o fato do filme ser ambientado no México e todos falarem inglês, inclusive os mortos, incomodou um pouco. Mas por ser uma produção hollywoodiana, temos de relevar. Mas isso tem zero interferência no filme. É só frescura minha.

Apesar de termos poucos dias de 2018, me arrisco a dizer que Viva – A Vida é uma Festa é um dos melhores filmes do ano. Fortíssimo candidato ao Oscar de Melhor Animação, sem mesmo a divulgação dos indicados, que acontece no próximo dia 23.

O filme diverte e impressiona pela beleza, na mesma proporção que ele te deixará emocionado. Eu, que dificilmente choro, desabei em lágrimas no final. Não perca mais tempo e assista esse filme o quanto antes.

Dirigido por Lee Unkrich, Viva – A Vida é uma Festa está nos cinemas de todo o Brasil.


Este post só foi possível com a ajuda de André Cabrero e muitas outras pessoas que acreditam no Junta 7 e tornaram-se nossos padrinhos Jotinhas. Colabore você também clicando aqui.

Coco (Viva - A Vida é uma Festa

Coco (Viva - A Vida é uma Festa
9,2

Roteiro

9/10

    Atuação

    9/10

      Fotografia

      10/10

        Trilha Sonora

        10/10

          Edição

          9/10

            Pros

            • Roteiro muito bem trabalhado
            • Fotografia colorida e que impressiona
            • Trilha Sonora Fantástica
            • Contextualização de lendas

            Cons

            • Ambientação hispânica onde todos falam inglês

            Comentários

            comentário(s)